Envie uma mensagem
Fale
via chat
BLOG

Tudo que você precisa saber sobre investimento a longo prazo

13/08/2018
ASSINE NOSSA NEWSLETTER:

Investimento a longo prazo é uma excelente forma de gerir o seu dinheiro com cautela e obter ganhos mais consistentes, que serão acumulados ao longo dos anos. Diferentemente de um investimento a curto ou médio prazo, nos quais o objetivo é ter dinheiro em mãos rapidamente, estendendo esse tempo você pode fazer escolhas mais acertadas e menos impulsivas.

Outro ponto importante que conta a favor do investimento a longo prazo é o fato de que as oscilações da economia não o impactam tão fortemente quanto nos outros tipos de aplicação.

Isso significa que ele se valoriza mesmo diante de crises e reveses momentâneos pelos quais o país pode passar. A razão disso tem tanto a ver com os juros compostos que fazem parte dessa modalidade de investimento quanto pelo próprio caráter não imediatista desse tipo de aplicação.

Você certamente deve estar curioso para saber mais sobre o investimento a longo prazo para poder se beneficiar dessas vantagens que listamos até agora. Continue a leitura deste artigo e confira algumas informações importantes sobre o tema.

O que são investimentos a longo prazo?

Investimentos a longo prazo são aplicações que costumam levar mais de 5 anos para poder surtir algum efeito positivo em suas finanças. Alguns especialistas recomendam um intervalo de tempo maior, como 10, 15 ou 20 anos para poder colher os bons frutos que esse tipo de empreendimento pode gerar ao investidor.

O investimento a longo prazo é para aquelas pessoas que não são ansiosas e que procuram ter uma visão mais estratégica sobre os negócios. Isso pode ir desde a compra de ações a alternativas como a compra de um imóvel como forma de rentabilizar um bem.

Sabe-se que algumas propriedades, dependendo de onde foram compradas e de sua infraestrutura, podem valorizar muito ao longo dos anos, sendo uma excelente forma de ter alguma garantia no futuro — assim como a compra de terrenos para construção e venda posterior do imóvel.

É importante considerar que o acompanhamento do investimento a longo prazo deve ser realizado semestralmente ou, ao menos, anualmente. No mercado de ações, por exemplo, pode acontecer de você investir em algo que parecia valer a pena mas que não rende tanto quanto o esperado. A melhor opção torna-se, então, substituir aquela ação por outra e readequar as suas aplicações.

Inclusive, é comum ter uma carteira de investimentos diversificada e mirar em diferentes aplicações, já que os resultados delas serão colhidos somente em mais de uma década.

Como funciona a rentabilidade dos investimentos a longo prazo?

Quanto mais a longo prazo o investimento for, menores serão as taxas e os impostos cobrados sobre ele, possibilitando um maior retorno. Além disso, o investimento estará menos atrelado às oscilações constantes do mercado, acumulando uma renda significativa por meio dos juros compostos com o passar do tempo.

Vamos imaginar que você poupe R$ 500 mensais para começar a investir a longo prazo. Ainda que esse seja considerado um montante pequeno para esse tipo de aplicação, saiba que você pode ter grandes ganhos como resultado final.

Se você investir em uma ação com juros de 15% ao ano, por exemplo, por 40 anos terá como retorno mais de R$ 11 milhões. Claro que essa taxa de 15% é considerada alta, mas ela serve como base para indicar a potencialidade de um investimento a longo prazo.

Há até mesmo um gráfico de S&P 500 — abreviação usada para um índice de mercado composto por 500 ativos compostos nas bolsas de NYSE e NASDAQ — demonstrando o quanto o risco de perder dinheiro diminui ao longo dos anos. Pessoas que querem resultado em 24 horas têm quase 50% de chance de fracassar nos seus investimentos, enquanto aqueles que aguardam por 10 anos ou mais reduzem esse risco para menos de 10%.

Esse é apenas um exemplo prático que demonstra o quanto você pode se beneficiar optando por esse tipo de aplicação. Prossiga com a leitura para continuar aprendendo.

Por que pensar em investir a longo prazo?

Poupar dinheiro exige estratégia e disciplina. Na hora de aplicá-lo, é preciso ter ainda mais cautela para não ver os esforços de anos seguidos indo por água abaixo. É justamente por essa razão que investir a longo prazo se torna a melhor opção: por gerar segurança e uma garantia de resultados positivos ao final do percurso.

Cada vez mais ouvimos falar sobre o mercado financeiro, e há uma certa popularização desse tema. Isso faz com que algumas pessoas que ainda não têm o costume de investir suas finanças ajam de forma impulsiva e prefiram os ganhos a curto e médio prazo. Isso pode ser um grande erro se o investidor não souber realmente o que está fazendo.

Aplicar seus recursos a longo prazo é mais vantajoso justamente por saber a hora certa de colher frutos e começar por algo que não é tão arriscado para quem ainda não é experiente nessa área. Se você quer ter segurança na forma como lida com seus recursos, saiba esse tipo de investimento é o melhor para você.

Quais são os principais investimentos a longo prazo?

A essa altura, você já deve estar se perguntando quais são os principais investimentos a longo prazo, certo? Após entender o que eles são e quais são as vantagens e razões para investir, chegou a hora de saber de quais formas você pode realizar esse investimento.

Abaixo separamos as modalidades mais importantes para você saber como fazer isso. Acompanhe!

TESOURO DIRETO

Tesouro Direto são títulos públicos vendidos diretamente ao cidadão por meio do site homônimo do governo, no qual é possível se cadastrar e gerir esses títulos.

Para realizar a compra é necessário ter Cadastro de Pessoa Física (CPF), conta em um banco ou em uma corretora habilitada a trabalhar com esse tipo de fundo — também conhecidas como agentes de custódia — e informar nome, profissão, endereço e cópias do Registro Geral (RG), CPF e comprovante de residência do investidor.

Os títulos públicos são vendidos como forma de o governo financiar obras em saúde, educação e infraestrutura, tomando emprestado o dinheiro do aplicador e devolvendo mais à frente com juros. As taxas cobradas são mais suaves do que nos demais modelos justamente por ser um título comprado do governo.

Além disso, o Tesouro Direto tem um risco menor de perda dos recursos, sendo considerado um investimento de baixo risco.

Pode-se optar pela compra de títulos de renda fixa e/ou de renda variável. Na renda fixa, a forma como o seu dinheiro vai render é preestabelecida desde o momento da compra. Esses títulos valem mais a pena quando os juros estão baixos, pois você fica menos refém das oscilações da economia.

Na renda variável ou pós-fixada, a rentabilidade do Tesouro Direto acompanhará indexadores como o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e a taxa Selic, acrescidas de uma taxa de juros prefixada. Essa característica permite que o investidor tenha segurança ao acompanhar um rendimento que não está atrelado à inflação.

O Tesouro Direto é certamente uma das formas de compra de título mais seguras quando o assunto é investimento a longo prazo.

PREVIDÊNCIA PRIVADA

Muitas pessoas se esquecem ou mesmo não sabem que a previdência privada é um fundo, ou seja, que é composta por um conjunto de investidores com uma mesma finalidade — que abastecem essa reserva por um longo período de tempo.

Diferentemente da previdência pública — na qual você paga por toda a vida para ao final receber um salário como aposentado —, no modelo privado você gera uma renda por décadas e, ao retirá-la, o valor pode ser muito acima do investido.

Isso significa que você terá rentabilidade e proteção do seu capital em um fundo como esse. Inclusive, em períodos de crise como o atual, alternativas como o Tesouro Direto podem apresentar algumas desvantagens, como no acompanhamento pela taxa Selic, que tem sofrido diversas quedas nas tentativas do governo de melhorar a economia.

No fundo de previdência privada, os seus recursos não estarão sujeitos a essas oscilações e você tem a garantia de que poderá receber o investimento de volta mesmo se a seguradora vier a falir.

O motivo disso é que as corporações que administram o fundo não costumam ser as mesmas que os detêm. Assim, mesmo que aquela instituição que vende determinado plano venha a falir, você ainda poderá receber seu dinheiro pela administradora.

Outro ponto importante é você saber que esse fundo se divide em dois principais tipos, sendo eles o Plano Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL).

O PGBL é ofertado somente às pessoas que contribuem com o INSS, tendo como vantagem a possibilidade de abater até 12% da base do Imposto de Renda. No entanto, alcançado esse limite é preferível que você use outro montante para investir no VGBL.

A principal vantagem do VGBL em relação ao PGBL é que o imposto vai incidir apenas sobre os investimentos, em vez de ser cobrado sobre o valor total resgatado. Assim, você pagará somente pela quantia que o seu plano rendeu. Digamos que em 20 anos o investimento tenha rendido R$ 120 mil, o que significa que o imposto cobrado estará apenas nesse valor acumulado, e não nos mais de R$ 500 mil que você tenha aplicado.

Outro ponto importante a ser considerado é que a alíquota do Imposto de Renda diminui com o passar dos anos, conforme adiantamos em outro tópico. Pessoas que deixam a previdência render de 0 a 2 anos terão uma alíquota de 35% a ser cobrada sobre o que acumularam, enquanto aquelas que deixaram render por mais de 10 anos pagarão apenas 10%. Essa é uma diferença expressiva que deve ser considerada na maneira como você lida com o seu plano. Pense nisso!

FUNDO DE INVESTIMENTOS

O fundo de investimentos funciona em forma de cotas que são compradas pelo investidor e são administradas por especialistas, que avaliam os melhores mercados para investir.

Costuma ser bem mais rentável do que a poupança e ter uma taxa de administração relativamente baixa, já que o custo é dividido com os outros cotistas. Outra vantagem é que a carteira de investimento pode ser diversificada, já que terá o acompanhamento de um profissional que saberá direcioná-la para diversas aplicações.

Realizar tal movimentação por conta própria pode sair bastante caro, e ter essa repartição de custos com outros investidores e a facilitação das melhores escolhas feita pelo administrador faz com o que fundo de investimentos se torne bastante vantajoso.

Entre os principais tipos de investimentos desse fundo, podemos destacar aqueles que se realizam com a aplicação a longo prazo. Veja!

Fundos de renda fixa

Podem direcionar até 80% dos investimentos feitos, sendo que o restante pode ser alocado em derivativos que costumam seguir o índice do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). São considerados investimentos de baixo risco pela segurança que oferecem e o tempo que levam para gerar resultados significativos.

Fundos cambiais

Nos fundos cambiais há o investimento em moedas estrangeiras valorizadas, como o euro e o dólar. Podem também ser uma boa alternativa dada a estabilidade dessas moedas comparadas às demais.

Fundos da dívida externa

Conforme o próprio nome sugere, os fundos da dívida externa estão relacionados a pelo menos 80% da dívida da União com o estrangeiro. As principais determinantes dos seus rendimentos têm a ver com o pagamento das taxas de juros pelos ativos, a performance dos papéis no mercado internacional e a valorização do dólar ante o real.

Fundos multimercado

Os fundos multimercado são aplicações pulverizadas que reúnem uma série de fundos e investimentos que integram o mercado financeiro e que podem ser uma ótima opção para quem busca diversificar sua carteira e investir em algo seguro e com bom retorno.

Fundos imobiliários

Os Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs) são aplicações feitas no setor imobiliário por meio da aquisição de pequenas partes do fundo de um imóvel. Você pode, por exemplo, ter ativos de grandes construtoras e empreiteiras do ramo e contar com a gestão da administradora financeira, que vai direcionar os seus investimentos para as alocações de maior rentabilidade.

Como você pôde ver, são muitas as possibilidades que o fundo de investimentos oferece. Continue a leitura para entender como funciona o mercado de ações e as demais opções que você tem ao optar pelo investimento a longo prazo.

AÇÕES

As ações são frações do negócio de uma empresa que são comercializadas na Bolsa de Valores. Os grandes empreendimentos fazem isso como forma de angariar fundos para seus investimentos e manter as suas atividades em pleno desenvolvimento. Em contrapartida, o investidor recebe a parte que lhe cabe com esse crescimento e também se beneficia daquela fração investida.

Os acionistas podem estar em dois grupos principais distintos, que são aqueles que adquirem Ações Ordinárias, conhecidas pela sigla ON, e aqueles que investem em Ações Preferenciais, conhecidas pelas iniciais PN.

As Ações Ordinárias (ON) dão ao investidor o direito de interferir nas decisões da empresa que tem uma fração do negócio. Obviamente, ela está dirigida a grandes investidores que querem, de fato, participar da vida daquele empreendimento. Quem tem grandes quantidade de ações e poder em uma corporação é conhecido também pelo nome “acionista controlador”.

No caso das Ações Preferenciais (PN), o acionista não tem direito ao voto, mas tem a preferência tanto no momento em que aquela empresa anuncia a distribuição dos seus dividendos quanto no caso dela vir à falência, pagando primeiramente esses investidores.

Existem ainda 2 modalidades especiais, que são as UNITS e as Blue Chips. UNITS são gestões específicas de capital no qual você pode gerir 2 ações preferenciais com uma ordinária e vice-versa.

As Blue Chips são aquelas grandes empresas e conglomerados corporativos com um grande número de acionistas, que oferecem um retorno sobre investimento acima do comum. Podem exigir uma compra mais alta das suas ações, mas costumam ser algo compensador a longo prazo.

A seguir, selecionamos outras opções disponíveis no mercado quando o assunto é investimento a longo prazo. Confira!

OUTRAS OPÇÕES

Existem, sim, outras opções que fogem da lógica de participação no mercado financeiro por meio da compra de títulos, ações, cotas ou seja lá que outro formato for.

Voltando ao que dissemos rapidamente na introdução, há a possibilidade de investir em imóveis por conta própria, por exemplo. Muitas pessoas que querem fazer dinheiro a longo prazo consideram a possibilidade de comprar um imóvel na planta ou mesmo um terreno para construir e aguardar pela valorização do imóvel para, então, vendê-lo e obter um retorno daquilo que investiram.

Assim como qualquer investimento, alternativas como essas também exigem conhecimento do mercado. Se você compra um imóvel em uma área desvalorizada ou em vias de se desvalorizar, poderá perder muito dinheiro com isso. É sempre importante sondar para realmente saber o que está fazendo e colher os frutos mais à frente.

Uma alternativa possível é investir na compra de ouro, seja diretamente, adquirindo lingotes ou barras, seja indiretamente, por meio dos certificados de depósitos de ouro e investimentos em fundos especializados nessa matéria. O risco é baixo, já que é algo que dificilmente vai se desvalorizar ao longo tempo, e você pode obter bons resultados pensando em um período maior.

Quais são as dicas para investir no longo prazo?

A essa altura, já deve estar bastante claro que investir a longo prazo é o extremo oposto de agir com impulsividade e ansiedade para atingir resultados rápidos. Um dos motivos principais disso é justamente a diversidade de possibilidades de baixo risco e bons ganhos que essa modalidade de investimento oferece.

Isso significa que você terá tempo para analisar cada uma dessas oportunidades com cautela, conversando com quem entende do assunto e, pouco a pouco, delimitar melhor as suas estratégias.

Seu objetivo pode ser acumular dinheiro por um longo tempo para realizar a compra de um imóvel de luxo como forma de investimento ou quem sabe um terreno para construir e investir nele.

Pode ser até mesmo que você queira apenas fazer uma reserva de dinheiro para que no futuro trabalhe menos e possa passar um tempo vivendo daquela renda que investiu para ter.

As possibilidades de aplicar os seus recursos são muitas, e os motivos para isso também. Sendo assim, conheça bem cada tipo de investimento e procure diversificar sua cartela, afinal, apostar todas as fichas em um único negócio não é uma tática muito inteligente em meio a tantas opções que podem ser benéficas, certo?

Domine esse campo e vá mais longe com suas decisões. Estamos certo de que as informações listadas neste post até agora serão o pontapé inicial para você fazer isso!

Quais são as principais vantagens dos investimentos a longo prazo?

Investimentos a longo prazo significam ganhos maiores e mais segurança. Pode até ser que algum investidor que aplicou o dinheiro em um investimento de curto e médio prazo tenha conseguido um lucro bom, mas saiba que, via de regra, não é assim que funciona.

Conforme apontamos ao longo deste post, quanto menor é o período de tempo, maior é o risco. Ou seja, nem tudo que reluz é ouro, e você pode meter os pés pelas mãos apostando em algo que não trará frutos.

Inclusive, é bom ficar atento a isso para não ficar refém de falsas promessas de ganhos e de propostas que parecem tentadoras, mas que na verdade não apresentam qualquer projeção real de crescimento. Nessas horas, a presença do especialista que administrará os fundos é essencial para evitar tais erros.

Saiba aproveitar o fato de que terá tempo para acompanhar e reavaliar as aplicações feitas para direcionar os recursos para aqueles investimentos que mais valerão a pena.

A soma de ganhos maiores com um risco menor é o que torna tão especial essa forma de usar o seu dinheiro. Aproveite para reler cada ponto deste post sempre que tiver dúvidas e quiser refrescar a memória sobre as principais formas de realizar tudo o que indicamos aqui.

Se gostou de saber mais sobre tudo o que você precisa saber quanto ao investimento a longo prazo, aprenda mais conhecendo quais são os maiores erros de um investidor e como evitá-los!


ASSINE NOSSA NEWSLETTER: